Oblíqua

Força Estranha, de Futura

Por: Rodrigo Monteiro

Saturação   Manter um compasso coreográfico não se limita, necessariamente, a estabelecer apenas um mesmo tom, com pausas e intensidades colocadas em um intervalo regular no espaço e no tempo da dança. Para além da regularidade, pode-se sustentar um compasso que se inicia com a repetição, mas que depois consegue criar graus de variação: varre-se…

Aline BonaminClarice LimaDançaFomento à DançaFuturaSesc-SP
Ler crítica

Azira'i, de Zahy Tentehar, Denise Stuz e Duda Rios

Por: Caio Paduan

Em busca de uma fala verdadeira Azira’i, espetáculo dirigido por Duda Rios e Denise Stutz, com a atuação brilhante de Zahy Tenterar, poderia ser o disparador para discutir muitos assuntos que já permeiam o mundo da cultura e das artes. Sem pensar muito, poderíamos facilmente relacionar o espetáculo com questões relativas aos apagamentos históricos operados…

Denise StutzDuda RiosSesc-SPTeatroZahy Tentehar
Ler crítica

Memórias para se transformar em flor, de Mauricio Flórez

Por: Rodrigo Monteiro

Flores para oxigenar o gesto de contemplar    Já há alguns anos, parece que a nossa habilidade de contemplar as coisas do mundo e da vida vem se deteriorando, com especial ênfase no desgaste de perceber as pulsões de vida no e do mundo. E, diferentemente da deterioração de algo em si, processo este que,…

DançaMauricio Flórez
Ler crítica

E nunca as minhas mãos estão vazias, de Cristian Duarte em companhia/ZONA

Por: Rodrigo Monteiro

Cheia de intensões   Diante de um cenário geral da dança, no qual inúmeros artistas, coreógrafos, pesquisadores, estudantes e professores persistem, infelizmente, em não insistir, o trabalho de Cristian Duarte em companhia/ZONA sinaliza o oposto. No contexto neoliberal da criação, amplamente marcado pela fugacidade das relações e pelo enfraquecimento do depuramento estético das questões que…

Casa do PovoCristian DuarteCristian Duarte em companhiaDançaFomento à DançaKintsugi
Ler crítica

Bactéria Magnífica, de Flavia Pinheiro

Por: Rodrigo Monteiro

Trecho de Organismo, de Décio Pignatari (1960)   AERÓBICAS   Entremos na metáfora de Bactéria Magnífica, espetáculo de Flavia Pinheiro, que também compartilha a cena com Rodrigo Batista, Rafael FX e Tom Oliver Jacobson. Coloquemos, portanto, sob a lentes de um microscópio (instrumento supostamente inventado no final século XVI por um holandês, Hans Janssen), um…

DançaFlavia PinheiroSesc-SP
Ler crítica
Nenhum conteúdo disponível no momento.
crossmenu linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram